Controle Financeiro, 7 Dicas para controlar o orçamento doméstico

Segundo algumas pesquisas mais de 80% dos consumidores só da importância ao valor das parcelas das prestações e 90% se quer sabem informar o total da sua dívida. Claro que o resultado dessa somatória torna a vida uma pouco arriscada, uma vez que as pessoas acabam se endividando no limite das possibilidades, por conta disso, qualquer emergência ou imprevisto faz delas pessoas inadimplentes.

A maioria se esquece da necessidade de se alimentar, vestir, e em alguns casos se divertir, nem pensam que a qualquer momento podem perder o emprego ou adoecer. Pensando nessas hipóteses seria bom que todas as pessoas fizessem algum tipo de reserva financeira.

Pra evitar o descontrole financeiro fica relacionadas abaixo sete dicas, aproveitem.

Como você pode perceber, o período de controle ideal é o mensal e antes de tudo, é necessário acompanhar suas receitas e despesas religiosamente. Se você não realizar este acompanhamento, nunca saberá realmente como é o seu orçamento e não conseguirá se planejar para comprar aquele carro dos sonhos ou realizar aquela viagem tão esperada. Para este controle você deve utilizar as planilhas de Contas a pagar e Contas a receber, assim você anotará todos os seus gastos e todos os seus ganhos. A planilha possibilita que você anote o item, a data de vencimento, o valor e o status do pagamento, mantendo um controle completo de suas contas.

Estabeleça prioridades

Quando você consegue visualizar o seu plano de contas, torna-se mais fácil seguir nossa segunda dica. Verificando o que é essencial e o que é dispensável em seu orçamento pessoal, você evita comprometer sua receita com compras que não pode pagar e não se enche de dívidas. Além disso, o dinheiro que você deixa de gastar em itens supérfluos pode ser investido em sua poupança ou aposentadoria.

Estabeleça metas

E o assunto investimento nos leva a terceira dica. Além de realizar nossos sonhos, é muito importante pensar na nossa segurança financeira. E, quando falamos dela, nos lembramos da poupança. Não podemos prever o futuro e é necessário mantermos uma reserva de contingências para eventuais imprevistos, como uma doença ou um acidente de carro. Além disso, estabelecer uma cota mensal que você irá investir na poupança auxilia na sua aposentadoria.

Aprenda a utilizar o cartão de crédito

Ao estabelecer prioridades e metas o seu orçamento pessoal começa a tomar forma e enxergar o seu futuro financeiro fica mais fácil. Com isso, você também aprende a utilizar o cartão de crédito. Ao contrário do que muitos pensam, não é proibido utilizar o cartão de crédito, mas deve-se usá-lo com sabedoria. Ao parcelar, avalie quanto de sua renda ficará comprometida no próximo mês e se você realmente tem a capacidade financeira para contrair esta dívida.

Planeje os seus gastos

Isto nos leva a quinta e última dica. Ao entender como se utiliza o cartão de crédito, também se entende como realizar compras em geral. Ou seja, você aprende a avaliar o impacto que tal compra terá nas suas despesas e se suas receitas comportam a compra de um novo carro, por exemplo.

Como você pode perceber, um dos segredos para que o seu orçamento pessoal funcione é o controle. Ele deve registrar todas as despesas e receitas realizadas e previstas, sempre avaliando o impacto de seus gastos no orçamento. Além disso, é preciso separar uma reserva para emergências e uma cota mensal para sua aposentadoria.

Quando emitir cheques pré-datados faça um controle do saldo bancário para não haver devolução dos cheques e para não voltarem sem fundos;

O limite do cheque especial possui taxas muito alta, procura não utilizar esse expediente. Se precisar usar o limite, pague logo a dívida antes de fazer novos empréstimo ou financiamentos;

Sempre procure pagar suas contas em dia, melhor pagar até o vencimento, agindo assim você evita pagar multas desnecessárias;

4. Ao fazer qualquer prestações, empréstimo e financiamentos, Informe-se sobre as taxas e juros praticados;

5. Na hora de comprar algo para casa ou família, pesquisa antes, faça uma cotação de preços primeiro;

6. Comprometa no orçamento familiar todas as pessoas da casa que podem contribuir com algum dinheiro, assim você saberá quanto pode gastar com despesas. Claro que tem que estar comprometidos de verdade com a manutenção da casa e do orçamento;

7. Sobrou um dinheirinho, é pouco? Não tem problema, guarde o que não vai utilizar nesse momento e deposite na poupança ou faça alguma aplicação.

Um Comentário

  1. meiriane

Comente Aqui!